14/06/10

PEDAGOGIA DE PROJETOS

Pedagogia de Projetos é a metodologia que propõe um novo olhar sobre a ação pedagógica.


Seu precursor foi John Dewey com a Escola Nova que definiu a aprendizagem como processo e não como uma preparação para a vida. Esse processo sugere um planejamento contínuo e flexível.

O construtivismo embasa a Pedagogia de Projetos pelas vivências propostas; a partir das vivências lúdicas, das experiências didáticas e das interações com o meio o aluno apreende o conhecimento.

A pedagogia de projetos vem nortear as atividades escolares, permitindo um trabalho interdisciplinar, abrangendo as diversas áreas do conhecimento, inserida na realidade e viabilizando múltiplas relações sociais.

A função do projeto é favorecer a criação de estratégias para resolverem um problema proposto, testar algumas hipóteses referentes a um determinado tema, pesquisar sobre um assunto eleito pelo grupo, enfim, levar o grupo a buscar o que lhe é significativo.

O projeto auxilia os alunos a serem conscientes de seu processo de aprendizagem e exige do professor uma postura flexível, de pesquisador onde os desafios e conflitos o estimulem e não o paralisem. As fontes de pesquisa são as mais diversas: livros, material impresso, vídeos, relatos de exposições culturais, músicas, experimentos...

A Pedagogia de Projetos favorece o envolvimento dos alunos como co-autores de sua aprendizagens, possibilitando-lhes fazer escolhas, decidir e se comprometer com suas escolhas, assumir responsabilidades, planejar suas ações, ser sujeito de sua aprendizagem.

Os projetos surgem na relação adulto/criança na medida em que o professor é capaz de atribuir significado à curiosidade despertada por assuntos ou atividades, às perguntas feitas, ao que é necessário ao seu desenvolvimento. No momento em que o professor consegue entender e aprofundar seus conhecimentos nesta proposta de trabalho, terá condições de aventurar-se em infinitas descobertas e perceber o quanto isto é enriquecedor.

Os projetos de trabalho constituem um planejamento de ensino e aprendizagem vinculado a uma concepção da escolaridade em que se dá importância não só a aquisição de estratégias cognitivas de ordem superior, mas também ao papel do estudante como responsável por sua própria aprendizagem.

Costuma ser um planejamento motivador para o aluno, pois este se sente envolvido no processo de aprendizagem. Geralmente, permite ao estudante escolher o tema ou envolver-se em sua escolha ( o professor pode propor o tema, mas deve suscitar a curiosidade do aluno para ele). Isto faz com que ele leve adiante a busca, na qual há de recolher, selecionar, ordenar, analisar e interpretar a informação. Essa tarefa pode ser realizada de maneira individual ou grupal, e seus resultados deverão ser públicos, para favorecer um conhecimento partilhado.

Quando falamos em “aprendizagem por projetos” estamos necessariamente nos referindo à formulação de questões pelo autor do projeto, pelo sujeito que vai construir o conhecimento.

Na organização dos conhecimentos escolares através de Centros de Interesses, costuma ser o docente quem se responsabiliza e decide a informação que os alunos irão trabalhar em aula. Nos projetos, essa função não se exclui, mas se complementa com as iniciativas e colaborações dos alunos. Esse envolvimento dos estudantes na busca da informação tem uma série de efeitos que se relacionam com a intenção educativa dos Projetos. Em primeiro lugar, faz com que assumam como próprio o tema, e que aprendam a situar-se diante da informação a partir de suas próprias possibilidades e recursos Mas também, lhe leva a envolver outras pessoas na busca de informação, o que significa considerar que não se aprende só na escola, e que aprender é um ato comunicativo, já que necessitam da informação que os outros trazem. Mas, sobretudo, descobrem que eles também têm uma responsabilidade na sua própria aprendizagem, que não podem esperar passivamente que o professor tenha todas as respostas e lhes ofereça todas as soluções, especialmente porque, o educador é um facilitador, com freqüência, um estudante a mais.

As etapas da elaboração de um projeto são muito importantes e repletas de descobertas. Para tanto o professor deve se organizar e mapear o que deseja trabalhar. Esse mapeamento deve ser flexível.

COMO SE ORGANIZA UM PROJETO



É fundamental que a questão a ser pesquisada parta da curiosidade, das dúvidas, das indagações dos alunos e não impostas pelo professor.

O tema pode pertencer ao currículo oficial, proceder de uma experiência comum, originar-se de um fato da atualidade, surgir como um problema proposto com a professora, ou emergir de uma questão que ficou pendente em outro projeto.



A ORGANIZAÇÃO

Não há uma seqüência única e geral para todos os projetos. Inclusive quando duas professoras compartilham de uma mesma pesquisa o percurso pode ser diferente.

ü O desenvolvimento de um projeto não é linear, nem previsível;

ü O professor também pesquisa e aprende;

ü Não pode ser repetido;

ü Choca-se com a idéia de que se deve ensinar do mais fácil ao mais difícil;

ü Questiona a idéia de que se deve começar pelo mais próximo (moradia, bairro, vogais...).

O grupo como um todo (crianças e adultos) busca informações externas em diferentes tipos de fontes: conversas ou entrevistas com informantes diversos, passeios, visitas, observações, explorações de materiais, experiências concretas, pesquisas bibliográficas, Internet. Alguns pontos são relevantes na busca de subsídios que alimentem o fio condutor dos projetos. Entre eles: biblioteca da escola, parceria com as famílias e a comunidade, organização do prédio e da sala de aula, registro.



A AVALIAÇÃO

Depois do material estar organizado, as crianças podem expô-lo, recontando-o e narrando-o através de diferentes linguagens. A avaliação do trabalho desenvolvido é feita a partir do reencontro com a situação-problema levantada inicialmente, como os comentários feitos sobre o propósito e o realizado. É importante que o grupo possa divulgar o que está fazendo e tenha a oportunidade de comunicá-lo. Os dossiês são uma estratégia importante para a organização final do projeto. É importante lembrar que cada finalização de projeto propõe novas perguntas e elas podem ser utilizadas para encaminhar novos projetos.



TURMAS DIFERENTES PODEM TRABALHAR O MESMO PROJETO

Duas professoras podem compartilhar uma mesma pesquisa, porém com percursos diferentes.



COMO FICAM AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E OS CONTEÚDOS DENTRO DOS PROJETOS DE TRABALHO

Um projeto de trabalho prevê diversas “portas de entrada”, as quais possibilitam “navegar” em diferentes áreas do conhecimento. Não sabemos de antemão quais portas se abrirão. Isso acontecerá a partir dos encaminhamentos feitos pela professora, por sua sensibilidade ao encaminhar problemas e hipóteses levantadas, por sua capacidade de fornecer informações.

É importante mencionar aqui a idéia de que “ninguém cria do nada”... Se não subsidiarmos a construção do conhecimento pelas crianças, se não planejarmos estratégias desafiadoras, poucas e pequenas portas se abrirão e, conseqüentemente, o trabalho será muito empobrecido. Colocar as crianças em contato com diferentes objetos de cultura e o fato de escolhermos uma temática ou outra, não significa ser melhor ou pior para relacionarmos conhecimentos, uma vez que o conhecimento não é algo fragmentado.

No desenvolvimento de um projeto, a execução das tarefas e a busca de solução para as situações-problema vão mostrando ao professor aquilo que os alunos sabem e o que eles precisam saber para realizarem com competência o trabalho determinado. A falta de conhecimento de conteúdos ou de procedimentos ágeis para a realização dos trabalhos, que fica explicitada no início, é o que deve nortear a escolha do professor e do que ele deve ensinar.



QUAL A DURAÇÃO DE UM PROJETO

A aprendizagem e o ensino se realizam mediante percurso que nunca é fixo, mas serve de fio condutor para a atuação do docente em relação aos alunos.

Um projeto não começa necessariamente num dia determinado, mas sim se desencadeia e se desenvolve como parte de um processo que é contínuo e não tem regras quanto a passos pré-determinados, nem tampouco obedece uma seqüência rígida.



O PAPEL DO EDUCADOR NO TRABALHO COM PROJETOS

• Escutar o que os alunos sabem e necessitam expressar;

• Não se colocar como o único e principal informante;

• Conectar os temas propostos a outros conteúdos e à realidade;

• Organizar os espaços e tempos de acordo com as exigências do trabalho a ser executado.

Após a escolha do tema, o professor dará continuidade ao trabalho com as crianças, criando situações em que as mesmas levantem propostas de execução do estudo ou da resolução de um problema: organizando listas sobre o que sabem do tema, o que querem saber, o que querem aprender e como se pode chegar a tais aprendizagens. Um bom modo de fazer esse levantamento á através da escrita no quadro de giz ou em folhas de papel pardo dos itens levantados pelas crianças, para ordenar a abordagem do tema. O confronto de idéias aparece neste momento, tanto no que diz respeito às concepções como aos modos de encaminhamento.

Esse esquema, produzido coletivamente, é a base do planejamento das tarefas – individuais, de pequeno e grande grupo – e da distribuição do tempo.

Dois importantes aportes no trabalho com projetos: a necessidade do professor estudar e se aprofundar na temática a ser enfocada e a exploração dos conhecimentos que as crianças possuem sobre o tema a ser trabalhado. Desta forma cabe ao professor estudar atentamente sobre o tema do projeto, o que lhe permitirá adequar estratégias interessantes e desafiadoras para as crianças, selecionar e buscar informações necessárias ao andamento do projeto, bem como as alternativas possíveis de materiais e recursos mais adequados.

2 comentários:

  1. Gostei muito desse artigo. Quais sãos as fontes?

    ResponderExcluir
  2. Professora
    Esse artigo é um resumo de tudo quejá li sobre Pedagogia de Projetos. Muita coisa foi pela internet, mas infelizmente não me lembo onde, vou tomar mais cuidado de agora em diante.
    Obrigada

    ResponderExcluir